quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Em 2015 voltarei a ser eu

Ainda tenho uns 9 kg para perder para voltar ao peso que tinha antes da gravidez e tenho que pôr os pés ao caminho.
Sinto-me um bola, sem ponta por onde se pegue. Pouca roupa me serve e nada me fica bem.
Da outra vez estava ainda muito gorda por esta altura mas estava a trabalhar a um ritmo fisicamente exigente e estava já a perder peso. Não fiz dieta nem desporto e voltei ao meu peso. Desta vez estou em casa, como muito mais e mexo-me pouco.

A partir de dia 2 fecho a boquinha (sem excessos) e subo para cima da minha amiga elíptica 5/6 dias por semana durante 30 minutos.

Vou fazer fotos do antes e espero ter fotos lindas do depois.
Só depende de mim sentir-me bem comigo e eu quero muito!

Previsões de signos

Sou só eu a achar muito estúpido dizer que todos os escorpiões vão ter grandes perdas em 2015? Ou que todos os carneiros vão ter sorte ao dinheiro?

Detesto previsões para o ano novo!

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Amor

O Afonso quer estar sempre de mão dada com o Manel.
Acorda e dá-lhe a mão, quer fazê-lo parar de chorar e dá-lhe a mão, vai no carro e dá-lhe a mão.
E eu derreto com o Amor que os une.

E tenho tanta certeza que demos o melhor presente do mundo ao Afonso.

domingo, 28 de dezembro de 2014

Calções, vestido e fofo made by Ana

Fiz ainda uns calções iguais aos do Afonso mas em creme para o sobrinho (vêem-se na foto lá atrás).

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Prendas de Natal made by Ana

Saco para guardar brinquedos. Um para cada um dos 3 sobrinhos e outro para o Afonso.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Do trabalho

Eu estou de licença de maternidade por 4 meses e meio (o Manel vai para a creche no principio de Março) e o marido tem carregado quase tudo sozinho. Faz todo o trabalho físico e ainda faz uma parte do trabalho administrativo que eu fazia, acrescido do trabalho que ele já tinha. Como era de esperar, o homem tem trabalhado que nem um doido.
Tem dias em que consegue ter um horário razoável e tem dias em que vai trabalhar às 5 da manhã.

Surpreendentemente, ou nem tanto, o que lhe custa mais é ter que gerir os funcionários. Não consegue manter a calma quando manda fazerem uma coisa e fazem outra, fica nervoso e sem vontade de nada. Basta uma pequena discussão para ele ficar desmotivado e desejar em voz alta que a minha licença acabe e eu volte a gerir tudo com a ajuda dele.

O pior é que pouco posso fazer. Não tenho como estar mais presente no trabalho sem levar o Manel para lá e isso é impensável no Inverno e não consigo levantar-lhe o ânimo quando chega a casa.

Valem os dias de férias que os funcionários vão ter a partir de amanhã e que lhe vão permitir descansar um pouco.
Meu rico marido...

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Tapa-fraldas made by Ana

Para oferecer a uma bebé de 3 meses.

Eles vão começando a sair :D.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Em andamento

O que vai sair daqui?

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Amamentação em local público

É tão pública quanto desejarmos.

Eu não ponho fraldas na cabeça, nem fujo de ninguém e poucos percebem que o meu bebé está a satisfazer a sua principal necessidade.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

A noite

Correu bem para esta fase. Acordou passadas 4 horas, deitei-o ao meu lado e foi mamando e dormindo.
Quando o Afonso está na nossa cama evito dar mama sentada porque o acordo. Como o mais velho se esgueira para o meio dos pais durante a noite, esta mamada varia.

Hoje vou tentar que durma outra boa sesta.

domingo, 7 de dezembro de 2014

Sestas

Hoje experimentei a deitar o Manel a dormir a primeira verdadeira sesta. Embrulhadinho no berço dele, com as janelas fechadas. Dormiu quase 3 horas e só acordou porque o fui buscar.

O Afonso não esteve em casa nesta fase (estava comigo no trabalho) e só começou a fazer sestas a sério na creche. Até lá ia dormindo ao longo do dia, tal como o Manel tem feito, principalmente ao colo.

Vamos ver como corre a noite mas até agora está tudo normal.

Agora vou insistir na sesta pois ele já passa muito tempo acordado e assim regula os sonos e eu consigo ter as mãos livres para fazer as 1001 coisas que preciso fazer e não consigo.

Dormiu ao mesmo tempo que o Afonso e eu e o marido sentimo-nos perdidos sem eles, mas soube tão bem...

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Costura

O Sling já passeia, fiz um tapa fraldas para a sobrinha (muito mal acabado), estou a fazer um fofo para o Manel.
Já tenho o tecido para fazer mais um fofo e um vestidinho para os bebés vestirem no Natal, vou fazer o presente para a minha mãe e já tenho o material para os sacos dos brinquedos (4).
 
Falta ter tempo para isto tudo antes do Natal, mas tenho que conseguir.

sábado, 29 de novembro de 2014

Sem tempo

Entre (muitas) mamadas, fraldas, noites assim-assim, filho mais velho doente (já está fino), uns toques na máquina de costura, cuidar da casa e trabalhar, tem sobrado pouco tempo para escrever aqui.

Para a semana as coisas vão estar mais calmas (hope so) e já vou partilhar as novidades com vocês.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

A minha máquina de costura

Estou à espera de uma encomenda de umas etiquetas autocolantes que uso no trabalho. Eram para ter chegado ontem e não vieram. Dei o meu número de telemóvel para me ligarem quando viessem fazer a entrega.
Ligaram à bocado. Mandei o senhor ir ter à fábrica e entregar ao meu marido.
Ele recebeu, veio almoçar e eu perguntei-lhe pelas etiquetas. Ficaram na fábrica.

Tenho estado a acompanhar a viagem da minha máquina de costura, que veio de Itália e deveria chegar amanhã. Agora fui ver onde estava e dizia "entregue". What?
Liguei para o correio e não estava lá, liguei para a transportadora e tinha sido entregue ao meu marido! What?

Já confirmei. Uma caixa com 8 kg foi confundida com uma caixinha com 3 rolos de etiquetas.

Agora aguardo-a com toda a ansiedade...

Amor de irmãos

O Afonso não gosta de qualquer pessoa. Custa a dar-se um bocadinho a alguém, por vezes não se dá de todo.
O Afonso tem ciúmes de quem se aproxima dos pais, dos avós, dos tios. Fica fulo se ousam tocar-me, nem que seja o pai.
O Afonso não partilha. O que é dele é dele, ninguém mexe.

Mas o Afonso tem um irmão. O pequenino que o faz ser diferente, que o faz dar-se sem precisar de fazer nada, com quem partilha a mãe e toda a família, a quem oferece as suas coisas.
Corre para ele quando chora e tenta calá-lo com festas, conversa, brinquedos.
Chama-lhe bebé, sem mais, mas se alguém se aproxima do "bebé" franze o sobrolho e diz "é minha!".

O Afonso ama o mano com todo o seu coração pequenino. Não tem tradução o brilho dos olhos dele quando cruza olhares com o mano.

O Manel nasceu com um mano mais velho e a vida dele será sempre mais preenchida e feliz. O Manel não vai nunca saber o que é não partilhar, mas vai saber bem o que é o verdadeiro e único amor de irmãos.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Na TV

Sugestões de Natal (com um separador todo luminoso): promoção de citrinos do Mini-preço.

Não, não acho um presente bonito.

Really?

(Na TVI)

domingo, 16 de novembro de 2014

Coisas de costura

Enquanto a máquina não chega vou juntando tutoriais de costura de coisas que quero fazer.
A saber:
- Um sling novo, maior do que o que tenho porque o Manel fica muito apertado.
- Um fofinho de fazenda de lã para o Manel.
- Quatro sacos gigantes, daqueles que se abrem todos no chão, põem-se os brinquedos em cima e fecha-se. Um para o Afonso e três para oferecer no Natal aos sobrinhos.
- Um puf grande para o quarto do Afonso. Uma coisa simples.
- Almofadas de cores e padrões variados para animar a casa.
- Discos de amamentação laváveis, que gasto muitos dos descartáveis.
- Um conjunto de ferramentas em feltro para o Afonso.
- Decorações de Natal em feltro (árvores de Natal, estrelas, bonecos de neve...).

Primeiro tenho que me entender com a pequena, comprar tecidos, linhas, botões, molas, fitas, e mais qualquer coisa, mas chego lá...

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

É minha!

A máquina de costura que mostrei abaixo.
O desejo era antigo e cada vez mais presente, mas estava difícil de encaixar o gasto no orçamento familiar.
 
Desde há um ano e meio que adquirimos o cartão de crédito da Worten e tem-nos permitido comprar coisas que gostávamos muito e que doutra forma não compraríamos: um bom ferro de engomar, um bom aspirador, uma arca frigorífica e uma máquina fotográfica Nikon. Vamos pagando em prestações e não custa nada. Agora estava à espera de comprar uma máquina de costura nas mesmas condições, mas as que se vendem na Worten são fraquinhas e por isso já tinha desistido.
 
Numa pesquisa encontrei esta Singer, que tem as características recomendadas para uma máquina boazinha (eu acho ótima) e estava a 119€, uma pechincha.
 
Lembrei-me então que posso fazer a compra com o cartão de crédito que tenho e só utilizo para pagamentos pontuais que têm que ser feitos desta forma e depois liquido de imediato. Assim vou liquidar em 2/3 vezes a máquina e a encomenda já está feita.
Ainda tive um desconto de 5%, com um código promocional que encontrei num site com esse fim e ficou em 113€.
Para a semana já cá está e vai ter muito trabalhinho nas sestas do Manel.
 
Ora digam lá se não foi um boa compra?

Urgente

Antes de mudarmos de casa e sem saber se mudaríamos, decidi preparar o quarto dos meninos. Pintei parades, pendurei quadros, fiz uma decoração catita e o quarto ficou um mimo.

Entretanto mudámos para uma casa bem maior, com 4 quartos, mas decidi manter o quarto dos meninos. A mudança foi feita à 37 semanas de gestação e, obviamente, não houve tempo nem vontade para decorações. Mudaram-se os móveis e pronto. Ora, o novo quarto dos meninos é enorme e tem a caminha do Afonso, a cama de grades que será para o Manel e uma cómoda. As paredes são brancas, as camas são brancas, a cómoda é branca, o chão é branco... percebem onde quero chegar? Além da falta de cor, temos um quarto quase vazio.

Como, entretanto o Manel nasceu, o marido é que deita sempre o Afonso, por isso só vou ao quarto dele para arrumar e acabo por não ligar ao resto. Hoje tive que ir acalmá-lo durante a noite porque estava a fazer birra com o pai e olhei bem para aquilo. Parece que despejámos o pequeno Afonso para uma sala vazia, fria e sem vida. Fiquei com um sentimento de culpa enorme e com uma urgência desmedida de pôr aquilo em ordem, ou melhor, de dar vida àquela mancha branca.
Como não posso pintar paredes tenho que puxar pela imaginação e encher o espaço com outros elementos coloridos: um cortinado azul ou colorido, um tapete divertido, quadros, fotos, almofadas, o que for. Tenho que ir buscar a minha veia de decoradora e pôr mãos à obra.

Os meus meninos precisam de um quarto à altura e adequado à idade.

Prometo um antes e depois.

Refluxo

O Manel está bem melhor desde que mama empinado. Praticamente não bolça e as cólicas melhoraram um pouco.
Ontem deitei-o ao meu lado na cama, apoiado numa almofada para o manter elevado e dei-lhe mama deitada: bolçou tudo.
Acho que o principal problema é o ar. Ele não controla muito bem a respiração e engole muito ar enquanto mama. Se estiver na vertical o ar vai saindo sozinho e arrota ainda a mamar, se estiver mais na horizontal tenho que o pôr a arrotar e atrás do ar vem o leite todo.

Estamos a adaptar-nos a novas posições, mas estou mais otimista. Acredito que não seja preciso medicar.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Preciso de uma máquina de costura

Pode ser esta e pode ser já!
 
Todos os dias tenho ideias de coisas lindas e úteis que poderia fazer com uma menina destas. O bebé que vive cá em casa ia ter um upgrade nas suas roupinhas, o rapazinho ia ter alguns calções todos pi-pis, eu ia costumizar a minha roupa e criar coisinhas novas, o marido ia ter as bainhas das calças feitas no hora.
 
Querido Pai Natal, traz uma mota verde para o meu Afonso e uma máquina de costura para mim, que eu trato das outras prendas ;).

Consulta do 1º Mês

Temos um Manel com 3.960kg (mais 1.010kg que ao nascimento) e 51cm. Tudo muito bem no que toca à observação.
Mas o Manel sofre de refluxo.

Descobri este problema há pouco tempo num blog que sigo assiduamente, Alma de mãe.
 
Há umas 2 semanas o Manel começou a bolçar em grande quantidade (altura em que a quantidade ingerida aumentou), principalmente depois de arrotar. Vinha o ar e o leite todo. Quando adormecia a mamar era tranquilo, sem saídas de leite. Todos os dias o via engordar e não fiquei muito preocupada, mas fiquei com a pulga atrás da orelha.
Experimentei a fazer os procedimentos que se devem fazer a um bebé com refluxo (posição de mamar e após mamada verticalizada) e resultaram. Voltava ao normal e ele voltava a bolçar muito, não "queijinho", leite.
 
Ontem foi a primeira pergunta que fiz ao Pediatra, com esperança que ele desvalorizasse, pois tenho um bebé gordinho. Mas não. Valorizou e foi bem claro que não ia fazer nada para já porque eu lhe dizia que o posicionamento resultava e porque o bebé estava a aumentar bem. Se o problema agravar ou deixarem de resultar as técnicas aplicadas temos que ir fazer uma ecografia com pesquisa de refluxo e mostrar-lhe imediatamente. Deu-me logo o papel com a indicação e tudo. A cama é para ficar bem inclinada, pois o refluxo pode ser "silencioso".
Segundo ele, este problema deve ser medicado com um químico que acelera a digestão, mas que não é inócuo, e por isso de evitar. Não me falou em substituição de leite materno por leite artificial, nem em espessamento do leite materno, pois diz que é um problema funcional e que deve ser tratado como tal.
Diz que, normalmente, aos 6 meses passa, pois o esfíncter esofágico amadurece por essa altura.
 
O meu coração de mãe ficou em fanicos, passei a noite em sobressalto e estou super ansiosa. Esperemos que resulte só com o posicionamento. 

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

A minha nora


quinta-feira, 6 de novembro de 2014

A aventura do "deschuche"

Depois de uma inesperada e bem sucedida aventura do desfralde do Afonso, agora passámos, inesperadamente (que cá por casa não há datas marcadas para estas coisas) ao "deschuche", que é como quem diz, Afonso sem chucha.
 
Na 3ª feira a chucha ficou esquecida na escola. Ele queria muito a chucha "banca e bede" e eu dei-lhe uma chucha azul, nova, do mano. Ele achou-lhe graça, levou-a para a cama, mas dormiu sem ela. Não era a dele...
Ora quem dorme bem uma noite sem chucha é porque já não precisa dela, certo?
No dia seguinte o marido pediu para não lhe darem a chucha na escola a não ser num caso de extrema necessidade. Não houve essa necessidade e a chucha veio para casa escondida. Ele diz que está na "cainha banca" (a carrinha do trabalho que ele adora) e nós dizemos que sim.
Dormiu sem ela, apesar de a pedir, sem choros nem birras, de vez em quando. Hoje continua escondida e, esperemos, que assim se mantenha.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Não tenho filhos perfeitos

Os meus filhos têm cólicas, muitas.
Os meus filhos choram alto e muitas vezes por dia.
Os meus filhos não mamam de 3/3 ou 4/4 horas, se fizerem intervalos de 2 horas já uma festa.
Os meus filhos não dormem a noite toda. Acordam porque têm fome, porque têm sede, porque fizeram xixi na cama, porque sim.
Os meus filhos não ficam sossegados horas a fio numa espreguiçadeira, alcofa, sofá ou o que for, mas ficam sossegados ao meu colo.
Os meus filhos bolsam, umas vezes mais outras menos.
Os meus filhos têm lágrimas desde que nascem.
Os meus filhos ou chucham demais ou não querem chucha quando ela dá tanto jeito.
Os meus filhos têm um feitio difícil, não gostam de qualquer um e não gostam de partilhar os brinquedos.
Os meus filhos não comem sopa em casa, mas comem fora.
Os meus filhos deixam-me exausta, farta, sem paciência.
 
Os meus filhos são assim, reais, sem floreados, sem ilusões. Os meus filhos vão ficando cada dia mais bonitos, meigos, fáceis. Os meus filhos são o meu orgulho, apesar de não serem perfeitos como os filhos dos outros.
 
Serão os filhos dos outros dotados de tanta perfeição? Ou será um floreado inventado para que o sorriso cansado e fingido depois das noites em claro que não existem, porque os filhos dos outros dormem sempre a noite inteira, tenha um motivo?

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

As noites

Ainda não conseguimos encontrar a formula perfeita para termos noites tranquilas cá por casa.
Começamos os banhos das crianças por volta das 21.30h. Toma o Afonso, depois o Manel, o Afonso vai para a cama dele com o pai e o Manel fica a mamar.
Adormecem os dois, depois o pai e a mãe. Até aqui perfeito!
O Manel faz o primeiro soninho de 3 horas, depois acorda para mamar. E aqui é que começa a festa...
Mama, faz cocó, mudo a fralda, desperta, mama e mama e mama... até, finalmente, adormecer. Nisto passam 2 horas!

O Afonso aprendeu a vir para a nossa cama quando acorda durante a noite e, em hipotese alguma, quer voltar para o quarto dele. Se vier enquanto o Manel dorme no berço, abraça-se a mim e adormece logo, se o mano está acordado lá se vai a noite de sono. Não dorme sem ser comigo, faz barulho e desperta o mano que adormece na mama, por isso mama e mama e mama... e o Afonso em desespero. Até que o pai embala o mais novo, que demora uma eternidade a adormecer se não for comigo, e eu tento adormecer o Afonso, que entretanto já perdeu o sono.
Nisto passam as horas e o pai vai trabalhar cheio de sono, o Afonso fica com sono e rabugento e a mãe fica com sono e remorsos porque o Afonso não dormiu bem. E culpa por ainda não ter encontrado a formula perfeita...

Resta-me a esperança que dentro de pouco tempo o Afonso deixe o mano deitar-se ao lado dele e que o Manel cresça depressa para dormir numa cama familiar. Não será a formula perfeita, mas não haverá tanto sono de manhã.

O que aprendemos com a maternidade?

A fazer TUDO só com uma mão.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Colo

O Manel gosta de dormir ao colo, o Afonso também gostava. E quem não gosta de um colinho confortável, cheio de amor, a cheirar àquilo que o alimenta?

As pessoas mais velhas dizem que é mau hábito, os pediatras dizem que é o que os torna em adultos confiantes, eu digo que é a melhor coisa do mundo.

O Afonso já não dorme ao colo, mas é ao meu colo que se aconchega quando está nervoso, inseguro, cansado, triste. E o meu colo acalma-o, dá-lhe a segurança que não encontra em mais lado nenhum. Daqui a uns anos já não vai querer o meu colo, nem quando estiver a precisar dele, mas vai ter a certeza que ele está cá para o receber.

O Manel dorme profundamente ao meu colo como em mais lado nenhum. Sente a segurança inabalável do colo da mãe. Depois só o vai querer quando precisar. E depois já não o vai querer.

Seria louca se não aproveitasse todos os momentos de sono profundo que ele faz ao meu colo, como aproveitei os do Afonso e que já não voltam.

O Manel dorme profundamente e eu sou uma mãe que o deixa dormir ao colo. E isso faz-me feliz e, sem dúvida, melhor mãe.

Maria

Assim se chama a minha sobrinha que nasceu ontem à tarde.
Um parto rápido e mágico, uma bebé gordinha, uma mãe derretida.

E assim cresce a família.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Não é lindo?

 
Sim, sou uma mãe babada...

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Os manos

O amor vai crescendo entre eles. O Afonso gosta, genuinamente, do mano. Olha para ele com um sorriso e um brilho nos olhos. É o bebé dele. É assim que lhe chama: bebé.
O meu coração fica a explodir de amor quando o vejo mimar o mano.

Hoje o Manel começou a chorar enquanto eu estava a tomar o pequeno almoço. Quando cheguei ao pé dele já o Afonso lhe abanava a alcofa para trás e para a frente...

Aos 11 dias

Caiu o umbigo ao Manel. Estava por um fio e caiu ao mudar a fralda. Finalmente!
Que raio de coisinha que atrapalha tanto...

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Noites e manhãs a 4

Desde que o Manel nasceu que a vida noturna cá por casa mudou.
 
Começa na hora dos banhos, que damos mesmo antes de irem para a cama. O pai dá banho ao Afonso, a mãe veste o Afonso, enquanto o pai dá banho ao Manel, depois a mãe veste o Manel. Perece simples, mas não é. No outro dia vestimos os dois duas vezes (um bolsou e o outro fez xixi).
 
Depois caminha. O pai deita o Afonso, enquanto a mãe dá mama e adormece o Manel. Depois temos a hora do sono, que no máximo dura 3 horas. Depois acorda o Manel com fome e o Afonso pisga-se para a cama dos pais.
 
Pela noite fora repetem-se as mamadas com intervalos mais pequenos.
 
Às 8 horas, no máximo, estão os dois filhos acordados, o pai já saiu para trabalhar e a mãe tem que tratar dos dois (quase) ao mesmo tempo. Leva o mais novo para baixo, depois vai buscar o mais velho. Tenta que o mais novo fique quietinho na alcofa enquanto o mais velho come a papa e faz xixi no bacio. Depois pega no mais novo, troca a roupinha da noite que já vai cheirando a azedo do bolsado que vai havendo durante a noite, troca fralda, dá mama. Tenta que o mais velho esteja entretido a ver o Mickey enquanto o pai não chega.
 
O pai chega, a mãe respira de alivio, mais uma manhã conseguida sem grandes choros, o pai veste o mais velho, a mãe acaba de dar mama ao mais novo e tenta adormece-lo enquanto o mais velho vai para a escola para a mãe puder, finalmente, tomar o pequeno almoço!

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Como nasceu o Manel?

Adormeci no sofá na sexta-feira à noite a ver TV. Acordei a cambalear a fui à casa de banho. Senti umas dores estranhas, umas picadas no rabo, nem me conseguia endireitar. Fui para a cama e dormi. Eram 3.20h quando tive a primeira contração. Torci-me toda e virei-me para o outro lado. 3.30h nova contração. Chamei o marido que se levantou num salto e começou a andar de um lado para o outro. "o que é que eu visto", "tenho que me arranjar", "é para ir?" eram as conversas dele, de um lado para o outro no quarto enquanto eu esperava por nova contração. Não queria ser precipitada e ir a correr para o hospital se fossem contrações passageiras. Não eram. Os intervalos nunca eram maiores que 10 minutos, sendo que iam diminuindo e as contrações eram dolorosíssimas. Liguei à minha mãe e o marido ligou ao irmão para irem ter ao hospital para levarem o Afonso para casa. O Afonso acordou, fez xixi e ficou todo feliz de ir para casa da avó.
As contrações passaram a ter intervalos de 5 minutos e depois menos.
Cheguei ao hospital e assim que viram uma grávida a sair do carro veio logo uma (abençoada) cadeira de rodas. Na triagem mandaram-me a correr para a obstetrícia. Fui logo observada e já tinha 4 cm de dilatação (às 5.30h). Fui logo para a sala de partos e levei epidural às 6.20h. Tudo tranquilo, passado uma hora já tinha 6cm.... As águas rebentaram mas a dilatação não aumentava. Voltaram as contrações em forte e levei reforço da epidural. Cada vez tinha mais dores... tinha o cateter mal posto. Tiveram que me dar NOVA epidural. Subia às paredes por essa altura! Depois de fazer efeito fiquei completamente drogada, tremia, tinha muito sono e umas comichões malucas. Continuava com os 6cm e o bebé muito subido. A parteira chegou a falar em cesariana...
Passados uns 20 minutos um médico apareceu e decidiu observar-me. Assim que fez o toque desatou a tocar na campainha. Tinha a dilatação toda e a cabeça quase de fora!
Vieram as enfermeiras, fiz umas forcinhas bem feitas e puff: Manel em cima de mim . Não tive dores NENHUMAS!
Nasceu às 10.47h com 2,950kg e é igual ao mano.

Estou apaixonada !

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Aos 4 dias de vida

O que já sei do Manel:

- é mais mamão que o Afonso (que já o era muito)
- não gosta da chucha
- adormece tranquilamente na mama
- tem dificuldade em controlar a entrada de ar pelo nariz quando mama...

- tem dificuldade de fazer cocó
- o berço e a alcofa têm picos
- é adepto do co-sleeping
- é lindo!

domingo, 12 de outubro de 2014

11 de Outubro

Mais um dia que passou a fazer parte do meu calendário de dias felizes.
Nasceu o Manel, eram 10.47h, com 2,950kg e é lindo.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Não se pode

Então um bilhete de rede expresso comprado na net custa 8.70€ e o mesmo bilhete comprado ao balcão custa 9.20€? Por 50km? Num transporte público? Eu gasto muito menos de carro e ando mais confortável.
O que é que ganharam? Venderam menos um bilhete, que sai mais barato fazer a viagem de ida e volta de carro.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Como se fala ao telefone com um cliente e se tem uma contração dolorosíssima ao mesmo tempo?

Fala-se sem respirar e dá-se graças por não se verem as caretas do outro lado do telefone...

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Rrrrrrr!

O telefone tocou, era o marido, eu estava a dobrar um lençol, atendi e pus o telemóvel entre o ouvido e o ombro, o telemóvel escorregou e caiu (pela enésima vez), foi uma peça para cada lado, montei-o, liguei-o e constatei que morreu.
 
Era um telemóvel de 2 cartões que me dava um jeitão. Está todo branco com uma risca no ecrã.
 
Paz à sua alma e à minha que estou prestes a ter um piripaque.

39 semanas!


terça-feira, 7 de outubro de 2014

Ainda cá estamos à espera

Fomos e voltámos do hospital.
 
CTG muito bom (bons movimentos, bons batimentos, poucas contrações), colo permeável a um dedo e muito comprido ainda. O médico diz que tenho o chamado "colo de multípara": já não é virgem nestas andanças, mas ainda está intacto. Fez o famoso toque (com direito a sangramento e dor) e pronto.
Vim para casa esperar pelo início de trabalho de parto espontâneo ou por dia 14 (com 39 semanas e 6 dias) em que já vou para ficar internada e faço indução.
 
A criança tem mais uma semana de estadia paga no hotel da mamã e não quer desperdiçar.
 
Continuo bem, com pequenas contrações, mas nada de mais. Estou a sangrar, mas o normal depois do toque. 

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Sabes que as hormonas te levaram a melhor

Quando ouves na televisão que a Amália Rodrigues morreu há 15 anos a ficas com os olhos lavados em lágrimas...
 
WTF?

38 semanas e 5 dias

Foi exetamente com este tempo de gestação que o Afonso nasceu. Se passar de hoje, esta será a minha gravidez mais longa (apesar de já a sentir assim há algum tempo).
 
Hoje estou nervosa, ansiosa. Chegou a semana das 39 semanas, aquela que eu pensei que não chegaria por o Manel nascer antes. Aquela que eu tinha a certeza que seria, definitivamente, a última.
 
Amanhã vou ao hospital e devo levar o magnifico toque que descola as membranas (assim espero). Não sei se volto para casa com o Manel ainda na barriga ou se já só volto com ele no colo.
 
Hoje olhei o Afonso com outros olhos, com olhos de saudades do meu menino, do meu filho único que vai deixar de o ser. Ele não sabe bem, mas a vida dele nunca mais será a mesma depois do mano nascer. Vai ser melhor, mais preenchida de amor, com um melhor amigo para a vida, com o abraço que só um irmão nos dá, mas vai ser também uma vida de partilha daquilo que mais ama e que tem sido só dele: os pais.
 
Acho que é um sentimento comum a todos os pais, ou pelo menos mães, de segundo filho: temos a certeza que lhes estamos a dar o melhor presente do mundo, mas temos tanto medo de os fazer sofrer. Com a nossa ausência, enquanto estamos no hospita,l e com a diminuição natural da atenção quando chegarmos a casa.

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

À espera

Os dias passam e nem parece verdade que estou tão pertinho de ter o meu segundo filho.
 
Estou ansiosa como não estive no final da primeira gravidez. Talvez seja por ser o segundo e já saber o que me espera. Talvez seja por não ter nada marcado e estar à espera que o meu menino queira nascer.
 
Estou cansada desta barriga (apesar de deixar saudades por ser, provavelmente, a última), estou cansada destes inchaços (os pés e as mãos estão irreconhecíveis), estou cansada de estar pesada, gorda, sem grande mobilidade. Estou cansada de respirar mal, dormir mal, ter dores variadas.
Estou cansada de esperar.
 
Irra, que a gravidez é tão longa... Estou grávida desde o princípio do ano e já estamos quase no fim.
 
Estou muito tempo em casa e vou tendo tudo preparado, mas estou farta de estar com tudo em ordem à espera que chegue a revolução cá a casa. Preciso de mais movimento, mais coisas para fazer. Preciso de conhecer o meu Manel, de o apresentar ao mano, de o cheirar e cheirar o Afonso, de o pôr ao colo do Afonso e de ficar com o coração a transbordar, de olhar para ele e depois para o marido e sorrir de felicidade e amor, de o ver ao colo do pai, de dar colo aos dois ao mesmo tempo e mostrar-lhes que este colo vai ter SEMPRE lugar para os dois. Os meu meninos.
 
Esta espera cansa tanto.

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Angel

 
A minha música de sempre, a voz pura e simples de uma menina, as lágrimas de emoção incontroláveis.

Sabes que a maternidade te levou a melhor

Quando chegas a casa, acendes a televisão e passado uma hora reparas que estás a ouvir o Disney Júnior... e o miúdo não está em casa.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Faço anos!

29!
Parabéns a mim!

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Estou corcunda

Sim, é uma das características de gravidez que menos gosto: fico corcunda!
O Peso está desequilibrado e as costas é que pagam.
 
Irra! Que já chega de gravidez. Quero conhecer o meu menino!

Estamos assim...


sábado, 27 de setembro de 2014

Fiz um bolo

Hoje estou em casa sozinha com o Afonso (e o Manel). Não tenho quase comida em casa e não me aventuro a ir sozinha às compras com uma criança que não pára e um barrigão que ameaça explodir a cada passo. Fico-me por casa e aguardo ansiosamente a chegada do marido.
Comi a última fatia de pão duro torrada ao pequeno-almoço. Para o Afonso está o almoço feito, para mim não há nada para cozinhar até ir às compras.
Fiz um bolo. De iogurte, igual ao da minha mãe. Está ainda no forno e vai acariciar o meu estômago e fazer-me sentir menos sozinha neste dia cinzento de final de gravidez em que preciso de aconchego.

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Desemprego? Na...

Mudei de casa e deixei de transportar a minha funcionária problemática diariamente. É um alivio para a alma.
Um dos pontos a favor da mudança foi mesmo esta alteração na rotina, por um lado porque já não a suportávamos no nosso carro, sempre de trombas ou com conversas parvas e a tirar-nos a privacidade do NOSSO carro de família, por outro lado sabíamos que ela ficaria descontente e podia poupar-nos o trabalho (e a indeminização) de a despedir.
Demos-lhe o que a lei manda, um subsidio de transporte que cobre inteiramente a deslocação que tem que fazer, mas tem que vir no carro dela, sem possibilidade de vir de olho fechado ou a ler revistas. Ganha bem mais que o ordenado mínimo (herança da empresa anterior e que eu quis manter) e o custo da deslocação está garantido por nós, mas sabíamos que ela não iria ficar satisfeita com esta mudança.
 
Pois que agora anda a dizer à colega que já tem 3 ofertas de emprego! 3! Mas quem é que tem a lata de falar em desemprego se uma só pessoa tem 4 empregos na mão e tem que escolher um? Deve andar confusa a escolher o que lhe dá melhores condições (dos 3) e por isso continua por cá.
 
Eu desejo-lhe sorte (apesar dela me desejar outras coisas) e espero que ela vá e depressa, que por aqui há muita gente a precisar de trabalhar e que não tem a sorte (?) de ter 3 ofertas de emprego além do emprego que já tem.
 
(Mentir é tão feio!)

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Já pode, ainda não, agora já, espera mais um dia...

Tem sido esta a lengalenga que o Manel tem ouvido.
Parece que temos sempre um imprevisto que nos faz mudar de ideias quanto à chegada do mais pequeno.
Hoje íamos começar os "treinos" para acelerar o trabalho de parto, mas surgiu um imprevisto no trabalho e o marido pode ter que fazer uma viagem amanhã, por isso é melhor não arriscarmos.
 
Caramba, que isto assim é uma confusão.
 
De amanhã não passa, vou fazer limpezas, passar a ferro, "treinar", subir e descer as escadas muitas vezes e mais o que me lembrar. Quero ajudar este menino a sair do cantinho sozinho.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

37 Semanas!!!


 
37 Semanas!

Pronto, confesso, já não aguento mais! P
odes vir Manel!
Vou lavar agora as tuas últimas coisinhas mas não te preocupes que não te vai faltar roupa para vestir nem mantinhas para te tapar. A mãe, o pai e o mano falam em ti todo o dia, o mano quer muito a bicicleta que tu lhe vais trazer e a mãe já não tem força para aguentar tanta dor nos ossos, nas costas, na barriga... Mas não faz mal, que quando te vir esqueço isso tudo.
 
P.S. - Quando estiveres a sair deixa-te levar pelos apertões que vais sentir e estica bem a cabecinha para não danificares muito a "coisa".
Amo-te filho

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Podes vir Manel... ou então espera mais um bocadinho!

 
Feito pela minha mãe, com sangue, suor e lágrimas.
Sangue duma valente picadela que deu com a agulha no dedo, suor do trabalho que lhe deu e lágrimas do medo que tinha que eu não gostasse. Tonta!
Está lindo e vou adorar andar a passear o meu menino no seu lindo ovinho.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

O Manel

Está a crescer bem e já conta com um peso estimado de 2,700kg! Mais do que o peso do mano ao nascimento.
O médico alterou a data prevista para o parto para dia 15 de Outubro pois era essa a data que ele me tinha dado na primeira eco e é a que deve manter-se. Desta forma volto a fazer as semanas à quarta-feira, faltando-me 2 dias para as 37.

Dia 30 vou ter com o médico ao hospital para fazer CTG e não sei se haverá toque "maldoso" para ajudar a desencadear trabalho de parto. Ele disse que, em principio, não, mas depende como as coisas estiverem.

Dia 1 faço anos. Terei presente especial?

Estou numa fase de sentimentos opostos: por um lado estou cansada de estar grávida e já não aguento mais, por outro lado parece que não estou preparada para o parto e a mudança que se segue.

Bom dia!

Estou, finalmente na casa nova!

Apesar de ter uma infinidade de coisas para arrumar, encontrar lugar, deitar fora, etc, estou mais tranquila. Sinto que o passo importante está dado e a minha vida já não está partida entre duas casas.
O Afonso adora a casa nova porque tem muito espaço para correr, tem espaço exterior e tem paz. Sim, eu sinto uma paz aqui. Acho que o espaço me dá uma sensação de relaxamento, não estou sufocada entre quatro paredes, tenho uma porta de vidro gigante na sala que dá para o pequeno jardim e que me deixa entrar o dia e a vida quando eu não posso ou quero sair.

Tudo se faz com esforço e tem sido um esforço sobrehumano o que eu tenho feito. Tenho que parar muitas vezes com picadas fortes no fundo da barriga, contrações, dores de costas e maleitas várias. Estou tão inchada que quase não conseguia tirar a aliança do dedo para a guardar. Tive que esperar por um momento menos inchado...

(Enquanto escrevo estou sentada/deitada na cama, com o Afonso a dormir ao meu lado e o marido já foi orientar o trabalho. Um acordar calmo, sem viagens e sem correrias. Pelo menos por enquanto.)

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Bom dia!

Cai um dilúvio e o Afonso foi vestido À Verão para a creche. Não sei quem está mais maluco, se o tempo, se eu...
 
Esta noite brindou-nos com 2 xixis na cama, que é para a mãe não se gabar. Toma!
 
Eu atribuo estes xixis às grandes mudanças por que ele está a passar e não o censuro. Eu não faço xixi na cama, mas podia bem fazer...
 
Hoje vou ver o Manel! Yupi!!! Tenho receio do crescimento dele, pois o mano foi como foi e eu não tenho parado um segundo...

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Desfralde - Quase dois meses passados

Ao contrário do que eu esperava, o meu menino crescido estava preparado.

Como fui contando, rapidamente começou a controlar os xixis e os cocós, quer com pedidos quando tem vontade, quer com "presentes" quando nós o sentamos no bacio.

Está completamente desfraldado! Incluindo de noite!

Depois de muitas semanas sem fralda durante o dia tivemos consulta com o pediatra. Perguntámos-lhe opinião acerca do desfralde noturno, uma vez que a fralda "acordava" sempre seca. Ele aconselhou-nos a deitá-lo sem fralda mas não lhe dizer, para não o fazer sentir pressão.
Assim fizemos e cama seca.

Desde que ficou de férias e tem acordado mais tarde tem sido mais complicado, pois acorda e faz xixi de imediato, mas já acordado. Sei porque o espreito várias vezes de manhã e só faz mesmo ao acordar.
Não lhe ralho e dou-lhe miminhos porque ele fica visivelmente chateado com o descuido.
Consegue passar 5/6 horas durante o dia sem fazer nada e umas 10 horas durante a noite.

Durante o dia tem sido difícil sentá-lo no bacio sem ele querer e tem que ser com alguma distração. Continuo a fazê-lo porque já aconteceu não querer fazer xixi e depois fazer no chão por estar entretido.

Os cocós são certinhos, pede sempre, inclusivé depois de já estar deitado e quando pede faz sempre.

Não vou voltar atrás, a não ser que passe a fazer muito xixi na cama com a chegada do mano. Não o vou pressionar, não vou ralhar, vou deixá-lo crescer ao seu ritmo. Tem resultado.

Nestes quase 2 meses temos ficado surpreendidos com o crescimento dele e já notamos a descida dos gastos com fraldas e toalhitas.
É bom poupar com o mais velho que não tarda temos outro a gastar estes consumíveis.

Boa tarde!

Estou por aqui, mas tenho a vida de pernas para o ar. Para a semana já estou mais tranquila, de mudanças feitas e com o Afonso mais adaptado à nova creche. Hope so.
Até lá vou dando por aqui umas voltas.
 
O Manel continua no sossego da minha barriga, que de sossegada não tem nada.
 
Amanhã é dia de consulta e vamos ver como a pequena criatura está a crescer, que foi nesta altura que o mano decidiu "cair" de percentil, fazendo com que o médico marcasse a indução.

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Done!

Já enviei os ficheiros e espero a melhor proposta de sempre.
 
Fingers crossed!

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Boring...

Estou há 2 dias a preparar um conjunto de dados comerciais para enviar para uma pessoa que pode fazer a mudança na empresa, mas é a coisa mais aborrecida de todo o sempre.
 
Não fosse o motivo e já me tinha lixado para isto.

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Mudança

Está marcada para dia 20. IEI!!!
 
Não vejo a hora de "assentar arraiais" na casa nova, de ter tempo para descansar até À vinda do Manel, de dar conforto ao Afonso e muito colinho, de ter o marido sempre por perto e de sabe-lo mais tranquilo por me ter por perto.

Bom dia!

Esta noite sonhei que estava a amamentar o Afonso e o Manel, um a seguir ao outro, e senti-me tão bem... 

Há 8 meses que o Afonso não mama e já me desabituei, mas sinto tantas saudades.
Não vejo a hora de ter o meu Manelinho encostadinho a mim, a tocar-me no peito e a receber o que de melhor lhe posso dar: todo o meu amor, colo e o leite que é feito para ele.

 (sim, as hormonas estão a deixar-me muito lamechas...)

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Bom dia! - 35 semanas

Por esta altura, na gravidez do Afonso, comecei a desejar o nascimento dele, apesar de ser prematuro. Estupidez, mas já estava desesperada e cansada. Obviamente aguentei até ao momento do nascimento, às 38 semanas e 5 dias.
 
Desta vez ainda estou mais cansada, ainda tenho mais dores e desconfortos, ainda estou mais desesperada com a gravidez, mas não tenho pressa que o Manel nasça.
Queria puder ter alguma tranquilidade antes do meu menino nascer. Queria estar instalada e confortável na casa nova, com o Afonso à vontade e o coração mais tranquilo quando o Manel nos viesse fazer companhia.
Podia acabar de me sentar no sofá e pensar "pronto, agora já está tudo pronto" e ter que ir a correr para o hospital.
 
Sei que não tenho controle sobre o nascimento do meu menino pequenino e desejo-o muito, mas "fica mais umas semaninhas filho, estás aí tão bem. Cresce e desenvolve tudo o que há para desenvolver e depois vem para os meus braços."

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

De boca aberta

Estive cerca de uma hora sozinha na casa nova. Estou tonta.
 
É mais linda e espaçosa do que os meus olhos viram nas duas vezes que fomos vê-la com a senhoria. Acho que a minha mobília se vai perder naquela casa...
 
Fiz medições, planeamento de disposição das coisas e dei muitas gargalhadas sozinha. Fogo, a casa é espetacular!
 
Não vejo a hora de me mudar.
 
Fiquei mesmo a pensar que não era possível sonhar com uma casa melhor, porque não deve haver!

Bom dia!

Começar o dia com um furo num pneu em plena estrada.
 
O que vale é que o marido o mudou num instantinho e passámos logo numa oficina e mudámos os dois da frente.
 
Hoje vamos receber as chaves da casa nova. IEI!!!

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Acabei de fazer o cancelamento da matricula do Afonso na creche por escrito.
 
E as lágrimas correm outra vez. Raios!

Bom dia!

Hoje vim trabalhar, apesar de estar de rastos e ter um monte de coisas para fazer em casa. Mas tinha uma reunião importantíssima...
 
Tinha, mas foi cancelada esta manhã. E eu estou no trabalho, sem ter reunião e sem descansar ou fazer as coisas que tenho a fazer em casa... E hoje até é um dia calmo no trabalho.
 
Bah!

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Ups!!!

Acabei de responder ao questionário mais ridículo e mal estruturado da história dos inquéritos. Qualquer resultado com base neste estudo não terá, com certeza, verdade nenhuma.
 
E o inquérito era do Banco Central Europeu!!!

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Bom dia!

Tenho tanto trabalho e estou cheia de sono, apesar de estar sempre em movimento.
 
Hoje é o último dia do Afonso na creche e já me custou outra vez. À tarde ainda vai ser pior, eu sei.
 
Não vejo a hora de estar instalada na casa nova e, finalmente, esperar pela chegada do Manel.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

A mudança

Bom dia!

Vou partilhar convosco uma grande novidade na minha vida: vou mudar de casa. 

É uma mudança muito grande pois vou mudar de terra (para o sitio onde trabalho), o Afonso vai mudar de creche e a vida vai mesmo mudar por completo. Estamos muito preocupados com a adaptação do Afonso e lágrimas não têm faltado , mas a expetativa é de grande melhoria na qualidade de vida para todos, principalmente para as crianças, por isso é que optámos por ela neste momento, apesa
r de estar a ser pensada há muito tempo. 

Vamos ficar a 100km da família, mas também não vai fazer muita diferença, pois já estávamos longe (a 50km).
 
A mudança vai ser feita lá para o final do mês, antes do Manel nascer (espero eu), mas aos poucos vamos mudando as coisas pequenas a partir de segunda-feira (roupas, livros, loiça, etc).
 
Ando num stress que nem imaginam, ontem chorei à frente da nova educadora do Afonso (que não conhecia) e da atual (aí foi um pranto...). Tenho a desculpa que estou grávida...
Desejem-nos sorte .

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Tenho o coração desfeito

Estamos a um pequeno passo de alugar a nossa casa de sonho a um preço que podemos pagar, em cima do trabalho. Os miúdos vão passar muito mais tempo connosco, não vão ser os primeiros a chegar e os últimos a sair da creche, vamos ter uma casa grande, uma moradia, com espaço para brincar, com espaço para criar uma hortinha, com muitos quartos. Vamos puder almoçar em casa. Quando o Manel nascer (que deve ser aproximadamente na altura da mudança) o marido vai puder estar muito presente, sem ter que descurar o trabalho. Eu vou puder dar-lhe mais apoio na empresa.
 
Seria perfeito, se isso não implicasse uma mudança drástica na vida do Afonso. A única coisa que não vai mudar são os pais. Casa nova, terra nova, creche nova, amiguinhos novos, educadores novos, mano novo.
Ao vê-lo feliz e adaptado à vida que tem, apesar de saber que vai ser cada vez mais dura para ele e que é incomportável daqui a 2/3 anos, fico triste. Triste por lhe tirar a estabilidade que tem, mesmo que essa estabilidade só exista aos olhos dele, porque não conhece outra realidade.
 
Eu tive uma mãe presente, estive em casa até aos 4 anos, depois comecei a ir para a pré-primária aos bocadinhos e não precisei de mais. Se pudesse dava-lhe esse conforto, mas o trabalho não permite. Ele não sabe que podia estar mais comigo e com o pai, mas podia. Muito mais. E é isso que lhe vamos dar. A ele e ao Manel.
 
Vai ser o melhor para ele, mas ele não sabe. E isso dói.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

33 semanas - foto


À espera...

Do e-mail que pode mudar a vida da minha família, a nossa morada, a nossa estabilidade, o nosso conforto. Para melhor, muito melhor.
 
Façam figas!

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Não estou de férias

Mas a minha cabeça está...

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Trabalhar em casa

De há umas semanas para cá, tenho ficado em casa um dia por semana. Escolho um dia em que a minha presença na fábrica não seja imprescindível e deixo tudo preparado.
Normalmente fico em casa nos dias do meio da semana.
Ligo para clientes, respondo a e-mails, controlo algumas coisas por telefone e descanso.
 
Hoje foi dia de trabalhar em casa.
Levantei-me mais tarde e fui levar o Afonso à creche. Voltei para casa com intensão de passar a ferro mas tive um assunto do trabalho para resolver e a vontade e energia foram-se durante aquele tempo.
Pus uma máquina de roupa do Manel a lavar e já está a secar.
Continuo a ligar a clientes, mas estou deitada no sofá. Não sei se ainda vou fazer mais alguma coisa ou se foi só descansar.
 
Mas isto é um dia por semana, um dia em que estou mesmo cansada e me serve como balão de oxigénio para aguentar o ritmo normal de trabalho até ao fim da gravidez. Não me imagino em casa todos os dias, sem planos bem definidos, com a possibilidade de não fazer o que estava previsto.
Quando o Manel nascer vou ficar com ele em casa sozinha. Vou ter muito que fazer só a tratar dele, mas será que me consigo sentir útil e equilibrada sem ter compromissos?

Barriga de 31 semanas e 4 dias


Estamos grandes!

Hum... Blerc!

O que acontece a uma grávida que come um desejado prato de Cerelac à ceia?

Enjoos!

Não repetirei a gracinha.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Bom dia - 32 semanas

Começaram, oficialmente, as noites difíceis de grávida!
Tenho tido muita dificuldade em estar deitada, doem-me as costas, a barriga, tenho dificuldade em respirar, a bexiga parece que está sempre a precisar de ser despejada e, quando consigo dormir um bocadinho, tenho sonho estranhíssimos...
Enfim, o normal para esta altura, apesar de ser muito cansativo.
 
Na sexta-feira tive o batizado do sobrinho e TODA a gente pensava que eu estava em fim de tempo, até o padre... Realmente, ao ver-me em tantas fotos, percebi como estou gigante. Depois ponho foto.

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Estou atrasada, mas a dor não tem tempo

O Robin Williams suicidou-se, enforcou-se. Não consigo dizer e sentir apenas que ele morreu. Ele não morreu, ele matou-se. A minha tia também, há 12 anos atrás. E eu odiei-a e odeio-a por isso, todos os dias. E odeio o meu ator preferido de sempre. Porque foi estupido, como só as pessoas que escolhem morrer o são.
 
Estava numa depressão profunda. A minha tia também. Tinha coisas lindas e maravilhosas pelas quais viver. A minha tia também. Tinha acabado de ser avó por parte de um filho que tinha perdido muitos anos antes porque o ex-marido lho "roubou". O filho tinha regressado ao seu colo e o sorriso dela era do tamanho do mundo. E tinha uma princesa que era sua neta. E dizia todos os dias "A MC é que sabe. A MC faz tudo.". MC era como ela se tratava - Maria Caetana. E matou-se. Enforcou-se, como o meu ídolo, com um utensilio e não com uma corda. E eu odeio-os, porque foram egoístas e não pensaram em quem tem que viver com a realidade de ter ficado sem eles por opção dos próprios.
 
Eu sofri mais do que alguma vez pensei sofrer pela minha tia. Ela vivia longe e eu só a via umas 2 vezes por ano. Ainda hoje a choro, com raiva dela, porque ela se matou. Enquanto escrevo choro.
 
Hoje gosto menos do Robin Williams, ao contrário dos milhões de pessoas que o choram. Ele era o MY CAPTAIN desde que me lembro, ele fez-me acreditar que podemos mudar a vida das pessoas. Ele fez-me chorar muitas vezes de cada vez que revi "o clube dos poetas mortos" e que sussurrei "oh captain, my captain". Hoje não o choro, hoje odeio-o. E à minha tia.
 
Nunca lhe vou perdoar. Por mais lágrimas que me corram pela face, por mais tempo que passe, não perdoo a MC por ter escolhido partir, por me ter deixado um relógio que está na minha mesinha de cabeceira depois de o ter usado até à exaustão, por me ter deixado uma bolsa a dizer "Tvcabo", por me ter feito acreditar que podia mudar a vida dos outros, por me ter feito acreditar que ela era especial. Raios! E era! 

Bom dia! - Quinta com sabor a Sexta

Desejo fervorosamente o dia de amanhã. Não é pelo batizado do sobrinho, nem pela visita à família, é mesmo por ser o fim de semana em que acabam as férias do vendedor...
 
Sorry, mas isto tem sido um inferno.
 
Já lhe disse que as aproveitasse bem, que agora só daqui a 5 anos! (kidding)

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Barriga de 29 semanas e 5 dias (há quase 2 semanas)


Coisas que eu gosto - Lanchinho da manhã

Bolacha maria com Tulicreme!

Bom dia!

Hoje estou em casa e já tenho um bocadinho para pôr a conversa em dia com quem me segue desse lado.
 
Prometo que hoje há conversa deste lado.

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Bah!

Colocar uma garrafa de água perto da saída de ar do computador é sinónimo de ter chá de nada pronto em minutos...

Bom dia - 31 semanas

Estamos grandes e com trabalho até aos olhos (é o que dá ter 2 funcionários de férias).
 
Assim que possível coloco uma foto da minha grandiosa barriga.
 
Esta semana o objetivo é chegar a quinta feira à tarde. Sexta tenho batizado de um sobrinho e para a semana já posso andar mais calma que só tenho um funcionário de férias...
 
Bom dia e boa semana!

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

30 semanas e 3 dias - consulta

Hoje foi dia de consulta no hospital.
 
O Manel está muito bem, já pesa 1.578kg, está no percentil 49, cefálico e lindo .

Surpresa das surpresas, quem me consultou foi o MEU rico médico, aquele que foi para Angola no inicio da gravidez. Fez-me uma consulta como eu gosto, a ver tudo muito bem, a escrever tudinho no livrinho de grávida e a transmitir-me a confiança que eu não sinto com o que me tem seguido.
Conclusão: mudei!
Vou marcar a próxima e última consulta da gravidez com ele (às semanas). Por mais simpático que o outro seja, que é, mas este é que me dá confiança e é disso que eu preciso. Além disso, depois da gravidez vai continuar a ser o meu ginecologista, por isso mais vale voltar já. Fiquei contente.
 
Tive aquela sensação de reencontro.

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Bom dia!

Estou viva, mas muito cansada.
 
Já conto...

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Gosto tanto


Planos de Fim de Semana

Eu tinha vontade de ir à praia, mas tenho que fazer limpeza e passar a ferro.
 
Estava dividida.
 
Já não estou.
 
Venham as limpezas e a pilha de roupa, que está frio para praia.

Bom dia, Inverno!

Está um belo dia para comprar roupa quentinha. Ou para pensar se temos lenha em casa para acender a lareira.
 
Sempre ouvi dizer "1º de Agosto, 1º de Inverno", mas o Verão era para ter chegado antes... e não veio!
 
Ou não temos mesmo Verão este ano (coisa que o meu corpo inchado agradecia) ou só chega lá para Setembro e vou ter um filho no Verão. Pode ser que ainda vista as roupas do Afonso.

quinta-feira, 31 de julho de 2014

Parabéns! Ou...

... "Desejo que ainda tenhas os órgãos todos".
 
Foi esta a mensagem de aniversário que uma amiga maluca postou no facebook da minha outra amiga maluca que anda pela Ásia e faz hoje anos. Está no Vietnam e hoje já disse
"Goooooooood morning, Vietnam!"
 
 
Adoro! Tudo.

Sono, muito sono

Deitei-me tarde, dormi mal, acordei cedo e o corpo não é o mesmo.
 
Já bebi 2 cafés (normalmente só bebo um) e não consigo acordar. Acho que vou adormecer a qualquer momento, sentada no escritório, em cima do computador.
 
Zzzzzzzzzzzzzz.....

Em atualização

E paciência para isto? Bah!

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Hiperidrose

Sofri desta doença durante muitos anos. Primeiro sem saber o que era, depois a procurar a cura que não aparecia em lado nenhum.
 
Hiperidrose é a transpiração excessiva. Pode ser palmar (mãos e pés) ou axilar (era o meu caso).
 
Tive a revelação no dia em que a minha irmã do meio me disse "que nojo, estás toda suada, estás sempre suada!". Eu não sabia, não tinha percebido. Deveria ter uns 12 ou 13 anos. Lembro-me que não estava sempre, mas estava muitas vezes.
As minhas camisolas ficavam molhadas na zona das axilas, ficavam com um cheiro desagradável, estragavam-se muito rapidamente, apesar da minha mãe as lavar à mão para ficarem bem limpas. Mas não ficavam. Começavam a ficar escuras.
 
Comecei a notar que, quando estava nervosa ou insegura transpirava de forma excessiva, descontrolada.
Comecei a ficar ainda mais nervosa quando sentia que estava a transpirar e transpirava ainda mais. Nenhuma das minhas amigas transpirava assim, porquê eu?
 
Passaram uns anos e eu comecei a ter técnicas para disfarçar: não vestia camisas porque o tecido ficava muito molhado, vestia SEMPRE uma t-shirt de algodão por baixo de qualquer camisola porque absorvia a transpiração e demorava mais tempo a ficar visível, no verão nunca vestia t-shirts, sempre alças, ia à casa de banho várias vezes limpar com um papel, pois estava sempre encharcada, punha bocadinhos de papel higiénico nas axilas para absorver e depois trocava-os.
A minha vida passava com a transpiração sempre na minha cabeça. Eu nunca desligava.
 
Experimentei todos os desodorizantes, anti-transpirantes, mesinhas caseiras, tudo. Nada resultava. Tomava banho e lavava-me a toda a hora, mas não fazia diferença.
 
Transpirava ainda mais no Inverno, quanto mais frio estava mais eu transpirava. Em casa, com a família não transpirava nada!
 
Comecei a desesperar e a procurar cura para aquilo. Primeiro descobri, na internet, qual era o meu problema: Hiperidrose. Nunca tinha ouvido falar em tal palavra, mas afinal existia "diagnóstico" e outras pessoas como eu.
 
Fui ao médico de família: era nervoso. Tomar 2 Valdispert todas as noites. Não melhorou.
Fui a um médico de clínica geral privado, que é barra e trata toda a gente com máxima eficácia: era nervoso. Tomar 4 Valdispert à noite. Chegava a tomar 6! Não melhorou nada, mas passei a dormir como um anjo.
 
Comecei a pesquisar na internet. Precisava de encontrar um médico que me ajudasse e não me dissesse que era nervoso. Eu sabia que a parte nervosa era fundamental, mas não era esse o gatilho. Eu transpirava muito mesmo.
Descobri que havia uma cirurgia, com muitos riscos e caríssima. Pedi informações aos hospitais privados, tinha que marcar uma consulta. Eu tinha medo de ser operada.
 
Até que descobri a "cura" para mim: Botox. Injetava-se nas axilas e paralisava as glândulas sudoríparas, parando a transpiração. Era um tratamento experimental e só havia um médico a faze-lo. Custava 400€ e durava 4 a 6 meses!!! Mas eu tinha que fazer.
Estava na faculdade, não tinha dinheiro, mas implorei aos meus pais. Seria a prenda de aniversário, Natal, bom comportamento, de tudo. Eles aceitaram. Tive que ir a Lisboa, a um dermatologista que não conhecia, sem saber se resultava. Ia a tremer. E se não resultasse? Eu não tinha mais nenhuma alternativa e iria gastar uma pipa de massa em vão.
 
O meu pai foi comigo. Fiquei sozinha no consultório. Quando o médico me chamou eu estava alagada em suor. Ele perguntou-me se eu queria levar anestesia local em gel. Eu não quis. Tinha medo que fosse muito caro.
Quando me despi e levantei os braços o médico ficou impressionado. Via-se cada gotícula de suor a sair. Ele disse que facilitava o tratamento, pois assim sabia exatamente onde injetar.
Disse-me que a duração do efeito era variável. Vesti a minha camisola molhada e fui-me embora.
Nesse dia não suei mais. Nem no seguinte. Senti-me tão, mas tão feliz.
 
Sabia que teria que voltar a fazer, mas soube o que era ser uma adolescente normal. Vestia o que queria. Se fizesse desporto transpirava o normal. Era livre, finalmente.
 
Ao fim de seis meses já transpirava outra vez, menos que antes, mas mais que o normal. O meu namorado (atual marido) ofereceu-me o tratamento, pois sabia a importância que tinha para mim.
Ainda repeti mais uma vez e pronto, fiquei "curada". Era pouco provável que acontecesse, mas aconteceu.
Os tratamentos controlaram a parte emocional e nervosa, podem ter paralisado de vez algumas glândulas e a mudança de idade deve ter feito o resto.
 
Hoje sou uma pessoa normal e já nem penso na mancha por baixo dos braços, porque já não existe.