quinta-feira, 17 de julho de 2014

De coração partido

Hoje fiquei em casa a trabalhar. Tenho telefonemas para fazer, mas nada que não possa fazer de perninhas esticadas.
Depois de dois dias de muito cansaço, está na hora de repor energias.

O Afonso ficou comigo mais um bocadinho e depois fui levá-lo à creche. Quando podemos levamo-lo mais tarde para garantir que que já tem uma das educadoras dele (logo de manhã está só uma e vai rodando, raramente é uma das educadoras dele) e alguns amiguinhos para brincar.
Se ficar com alguma educadora ou auxiliar que ele não goste, por vezes fica a chorar, mas se for com as dele fica sempre bem.
Sempre, até hoje.

Agarrou-se a mim, andou colado às minhas pernas enquanto eu arrumei a mochila e o livrinho e ficou num pranto quando a educadora lhe pegou e eu me vim embora.
Eu estou em casa e podia tê-lo comigo, mas eu fiquei para descançar, pois não quero chegar ao ponto em que tenha mesmo que ficar de repouso. E tenho que trabalhar um bocado, que com ele não é fácil.
Mas quem é que acalma o coração de uma mãe? Ainda por cima grávida...

Ele está a mostrar mudanças no comportamento em relação a mim. Só quer estar ao meu colo, não deixa que mais ninguém lhe faça nada... Eu acho que ele já anda a sentir ciúmes do mano, apesar de nada ter mudado connosco.

Isto vai ser bonito, vai, vai...

2 comentários:

Magda E. disse...

Pode ser que ele esteja a ter apenas um dia mau... eles tb têm direito. Não fiques assim, de certeza que pouco dps já se tinha calado.

Ana disse...

Eu gostava de acreditar que é só um dia mau, mas ele anda mesmo mais chegado a mim (sempre foi, mas agora é mais) e faz birra se não sou eu que faço as coisas com ele.
Eu sei que ele se cala, até porque ele gosta dos amiguinhos e das educadoras, mas senti-me mesmo mal...

Vou já busca-lo e ele vai ficar todo contente.