sexta-feira, 5 de abril de 2013

Novidades do bebé de 500g

As notícias não podiam ser melhores! (dadas as circunstâncias em que o bebé nasceu)

Começando do início. 

A mãe, minha amiga, ex-colega de trabalho e ex-funcionária, tem excesso de peso. Refiro isto porque, como toda a gente sabe, é um factor de risco na gravidez. O GO que a acompanhou na gravidez (meu ex-GO, que detestei vários comportamentos dele, de pouco acompanhamento) é muito pouco cuidadoso e não presta grande atenção às pacientes. Como tal, descuidou, totalmente, a tensão arterial!
Resultado, a grávida tinha pré-eclâmpsia! 

Numa ecografia de rotina, feita no consultório dele, viu que o bebé estava com um GRANDE atraso no desenvolvimento e mandou-a ir ao hospital NO DIA SEGUINTE para que os colegas a mandassem para outro hospital para ver o que lhe faziam...
Quando ela chegou ao hospital (atenção, ela estava com pré-eclâmpsia e passou a noite em casa) os médicos de serviço ficaram de boca aberta e mandaram-na de urgência para um hospital especializado em bebés prematuros a partir dos 800g (porque era o peso que pensavam que o bebé teria). Quando chegou tinha duas equipas à espera dela, à filme, uma para fazer a cesariana e outra para receber o bebé. 
Quando nasceu não conseguiram ver o sexo (imaginem o atraso de desenvolvimento que o bebé, de 26 semanas, tinha...). Pensaram ser uma menina! Ao fim de uns dias viram que se tratava de um menino...
Tinham, então, um bebé de 500g, menos que o que estavam preparados para receber, e tudo estava em aberto.
A mãe estava bem (dentro daquilo que pode ser nesta situação) e fora de perigo.

Depois de algumas paragens respiratórias e muitos medos, o menino começou a beber biberão com apenas 2 semanas (!) e foi crescendo. Foi operado a duas hérnias nas virilhas aos 4 meses mas correu tudo muito bem. Saiu do hospital antes de completar o tempo de gestação e hoje é um bebé com quase 7 meses, sem problemas, pelo menos para já. Tem peso e altura de recém-nascido (3700g e 50cm), mas já palra e mexe-se muito, percebendo-se que é mais velhinho. 

O médico não foi processado, por decisão dos pais, que querem é saúde e paz para o menino. 

É uma história de sucesso, muita sorte e felicidade. Foi, talvez, um milagre!  

3 comentários:

Susana disse...

Se situação complicada... Não se pode descurar mesmo a tensão arterial, pode ser um risco quer para a mãe quer para o bebé... Que bom que tudo tem evoluído bem. Nos dias de hoje conseguem-se milagres desses e é pena que muitas vezes seja tarde demais para os conseguir.
Beijinhos

Filipa disse...

Milagre mesmo mas era caso para um processo judicial sem duvida!

Vera disse...

Um verdadeiro guerreiro!